Aruba - Caribe parte 3


Finalmente chegamos a melhor parte! A segunda parada do navio foi Aruba, eu tinha pesquisado muito pra decidir como aproveitar ao máximo as horas na ilha mas pra ser sincera precisava de uns 3 dias lá pra conhecer tudo o que eu queria! O navio para em Oranjestad e um quarteirão na frente do porto já tem o terminal de ônibus, andar de ônibus lá fica baratinho e eles passam com frequência, você pode já se planejar explorando o site da Arubus. Pegamos ônibus para ir para Arashi e depois da Eagle Beach de volta para Oranjestad, na ida de Boca Catalina pra Palm Beach e de lá pra Eagle Beach pegamos vans mas foi baratinho também.


Eu já comecei a fotografar de dentro do onibus mesmo, e deu umas fotos bonitas que nem essa!




Olha a cor do lagarto!

Começamos em Arashi Beach, bem cedinho, que é a praia no extremo norte da ilha, um pouco antes do farol (que estava em reforma). Chegamos lá e tinha só mais umas 3 famílias na praia toda, pudemos largar nossas bolsas em uma dessas coberturas da foto e ir pro mar sem preocupação! Uma coisa importante de se saber sobre Arashi e Boca Catalina é que as praias são em áreas residenciais (de alto padrão) então não tem nenhum comercio pra comprar comida ou água, então é importante levar! Ficamos muito surpresos de como a água era calma, quentinha e cheia de peixinhos! Se você estender os dedos das mãos eles vem mordiscar! 
Da Arashi para a Boca Catalina são 5 minutos a pé, tentamos ir seguindo a praia mas não dá, entre elas encontramos esse lugar lindo mas não passável da foto de baixo, então voltamos e fomos pela rua mais próxima, não tem perigo de se perder.




Por mais que sejam pertinho as duas praias são bem diferentes, a Boca Catalina tem mais pedras então é bom tomar cuidado na hora de pisar, mas deixa umas manchas mais escuras no mar lindas de se ver e a quantidade de peixes é ainda maior! Perfeito pra fazer snorkeling. A água de perto parece até prateada do reflexo dos peixes e quando você entra a maioria mantem uma distancia de meio metro de você, mas se você ficar paradinha eles começam a tocar e fazer cocegas! Também ficamos super animados que tinha pelicanos na praia, que mergulhavam pertinho da gente para pegar os peixes, e gaivotas que ficavam tentando roubar os peixes deles. Essa praia já tinha um pouco mais de gente então revesamos para cuidar das malas em uma cabana, mas no geral é uma praia pequenininha.


Demos uma passadinha em Palm Beach, que é uma das praias mais famosas, porque a Michelle queria conhecer, mas foi a decepção que já esperávamos, a areia cheiona de gente, parecia qualquer praia no brasil, a água era bonita mas não tinha peixinhos igual as outras, e cheio de barraquinhas vendendo coisas pelo olho da cara. Eu e o felipe aproveitamos pra ir em algum estabelecimento na rua em que o ônibus para e ir no banheiro e comprar uma cerveja local a Balashi (que tem uma arvore divi-divi no rótulo). Enfim acho que não vale a pena a parada.


A ultima parada foi em Eagle Beach, o legal e ir ver a arvore mais famosa de Aruba, as divi-divi ficam assim tortas por causa do vento. Aproveitamos para ficam mais um pouquinho no mar antes de voltar para o navio, também não vimos peixinhos mas pelo menos a praia era bem menos cheia. Quando voltamos para Oranjestad só deu tempo de passear um pouco na feirinha do lado do terminal em que vendem umas lembrancinhas até que bonitas.
Gostaria muito de poder voltar lá um dia, ir de novo na Arashi Beach, conhecer a Baby Beach que é no extremo oposto, ou o outro lado da ilha em que não dá para entrar no mar mas tem cactos e pontes naturais lindas.

Outros posts da viagem:
Navio e paradas - Caribe parte 4

A Casa Assombrada


Minha última leitura foi bem diferente do que o de costume, fiquei com uma vontade repentina de um pouquinho de mistério ou até mesmo uma pitada de medo e decidi comprar o livro A Casa Assombrada, do John Boyne.
Eliza Caine tem 21 anos e acaba de perder o pai. Totalmente sozinha e sem dinheiro suficiente para pagar o aluguel ela se depara com o anúncio em busca de uma governanta para se dedicar aos cuidados e à educação das crianças de Gaudlin Hall, uma propriedade no condado de Norfolk – sem, no entanto, mencionar muitos detalhes. Assim, ainda abalada pela morte do pai, Eliza larga o emprego de professora numa escola para meninas e ruma para o interior.
Chegando a Gaudlin Hall, Eliza se surpreende em encontrar apenas duas crianças na casa, sem a presença dos pais, responsáveis ou outros empregados. Sendo evitada pelas demais pessoas do vilarejo Eliza tem grande dificuldade para encontrar explicações e logo se envolve em uma sucessão de eventos assustadores.
 

O livro parece uma homenagem as histórias de fantasmas clássicas do século XIX, citando inclusive o autor Charles Dickens (A Christmas Carol), e se passa por volta de 1860. Eu realmente adorei o livro, era exatamente o que eu procurava mas já vou avisando que não é um livro assustador, então as medrosas como eu podem se jogar!


A Eliza apesar de alguns surtos se mostra uma personagem muito forte e determinada, por mais que as vezes um pouco lerda, outra personagem interessante é a Isabella, uma das crianças da mansão, que me deixava frequentemente curiosa sobre suas intenções. Apesar do começo parado quando os mistérios começam a se revelar tive vontade de engolir o resto do livro, ele realmente me fisgou! E o melhor de tudo é que o final foi perfeito para a obra! Odeio me decepcionar com finais, faz eu broxar com o livro todo!
O único ponto negativo foi que meu livro veio com problemas de acabamento, umas duas páginas vieram grudadas, e a capa que tem um acabamento meio emborrachado super legal veio com um aspecto de sujeira, não sei se a culpa é da editora ou da empresa parceira do submarino, então recomendo a quem for comprar dar preferencia para compra-lo em loja física, para checar se está tudo certinho.

★★★★☆

5 coisas que aprendi com Buffy ♥


No último dia 8 foi o Dia Internacional da Mulher e em homenagem a esse dia o tema da blogagem coletiva do Liga Nerd Girls é Feminerd para inspirarmos o GIRL POWER ao nosso estilo! Eu poderia falar de milhares de coisas ruins, mas quis vir falar com vocês sobre minha série favorita da vida! Quando eu assisti Buffy pela primeira vez (atualmente estou re-assistindo no Netflix) eu tinha um pouco mais de 12 anos e fiquei fissurada, eu queria ser como a Buffy, a fodona, e é esse tipo de exemplo que toda garota precisa, isso já estava lá nos anos 90 e infelizmente não avançou muito nesse meio tempo, por isso estamos recebendo personagens como a Katniss e a Rey como novidade.
Apesar dos efeitos especiais toscos ainda podemos nos divertir muito assistindo Buffy, não só isso como podemos aprender uma série de lições, então aqui vai alguns motivos que fazem a série ter um lugar especial no meu coração:


" (…) namorar também, fazer compras, sair, estudar e salvar o mundo de demônios terríveis. Coisas de menina, sabem? " - Buffy Summers


1. A Buffy não precisa ser salva
...mulheres não precisam ser salvas! Nos primeiros episódios isso pode ser realmente surpreendente, quando pensamos que as coisas estão MUITO feias pro lado dela e torcemos para que o resto da gangue chegue logo ela dá um jeito de dar a volta por cima sozinha, a Buffy não precisa ser salva, ela precisa é salvar todo mundo!

2. Somos todas especiais do nosso jeito
A Buffy pode ser super forte e a personagem principal da série mas as personagens secundárias não ficam pra trás, a Willow alem de ser inteligente e ajudar manjando tudo de computadores se torna uma bruxa poderosa, a Cordélia quebra os esteriótipos de "popular malvada" sempre ajudando do seu jeito e não se diminuindo quando é traída ou perde seu reinado na escola, a Kendra é uma caça vampiros Jamaicana que cumpre seus deveres de forma super séria e rigorosa e mesmo assim derrete nosso coração. Isso fora MUITAS outras personagens lindas! ♥


3. Alguns relacionamentos não funcionam
...e a gente tem que parar de bater nessa tecla. A Willow passa muito tempo apaixonada pelo Xander e isso só serve para machucar ela e atrapalhar quando ela tem um relacionamento de verdade. O Spike pode não ter alma mas ele se esforçou muito mais pela Drusilla do que ela deu valor. E nem vou entrar no mérito do relacionamento confuso que é Buffy x Angel, mas relacionamentos passam e algo melhor pode estar logo ali!

4. Nem os relacionamentos familiares são perfeitos
A Buffy se culpa muito pelos pais terem se separados, e sente muita falta do pai ausente, mas o Gilles acaba se tornando seu pai de consideração. Pais ausentes são uma grande realidade, eu mesma sinto na pele, e acho muito legal de ser problematizado na tv.


5. O amor é livre!
Pode caça vampiros com vampiro, pode bruxa com lobisomem, pode humano com demônio, pode vampira com demônio, pode mulher com mulher! Pode tudo que o seu coração mandar! Eu ainda não cheguei a re-assistir essa parte mas já rolou dicas e eu lembro que a Willow vira lésbica, e mostra a profundidade da relação delas, como a Willow realmente ama a Tara, tanto que sua morte faz ela perder o controle.

O post possui alguns poucos spoilers mas a série é dos anos 90 né gente, dá pra lidar com eles. Eu realmente amo Buffy e recomendo, é um seriado que ganha muitos pontos pela comédia, é só lidar com o fato de a primeira temporada mal ter efeitos especiais e a moda ser totalmente diferente hahaha Não só eu recomendo como o Leonard também ♥


6 on 6: reflexos


É o segundo mês do 6 on 6 ♥ O tema votado desse mês foi reflexos, e eu de novo não me sinto totalmente feliz com meu resultado, mas é treinando que se evolui certo? Mesmo que eu não tenha tido nenhuma que eu acho que ficou muito boa, dessa vez achoque nenhuma ficou assim tão ruim, o que já é um avanço. As meninas parecem ter se embananado e talvez os posts delas não saiam hoje, e foi um milagre eu não ser uma das embananadas.
Minha ideia era desde o começo sair algum dia depois da chuva e fazer uma foto legal no reflexo da água, mas a preguiça pós chuva era sempre muito maior, essa ideia vai acabar ficando para outro dia, eu andei numa preguiça horrorosa desde que voltei das férias e espero que em março isso passe.

Projeto axilas mais felizes!


Até pouco tempo atrás eu tinha uma relação bem inadequada com certa parte do meu corpo: achava minhas axilas nojentas, uma área que gerava constrangimento e vergonha. Mas sabe, me da um tempo, eu uso regatas o tempo todo, elas estão lá, a mostra, praticamente nada diferentes do resto do corpo, então porque eu pensava assim?

Tudo bem que tem todo um contexto cultural consideramos uma área do corpo mal visto associado a pelos e fedor mas não precisa ser assim precisa? Elas eram realmente ruins, pareciam esbranquiçadas e como se estivessem sempre com um acumulo de produto, não importa quantas vezes eu mudasse de marca. Agora que tudo mudou aqui vai alguns fatos sobre cuidados com as axilas:

- Sobre antitranspirantes
A primeira mudança que eu tomei, e foi ela que realmente mudou minha vida, foi parar de usar antitranspirantes. O mal cheiro nas axilas não vem do suor e sim das bactérias que crescem nesse ambiente propicio, para combate-las existem os desodorantes que por meios antibactericidas impedem as bactérias e logo o mau cheiro, ou os desodorantes antitranspirantes que trabalham impedindo a transpiração e por tanto não criando esse ambiente propicio. O problema dos antitranspirantes é que para não te deixar transpirar eles tem componentes que entopem a saída dessas glândulas gerando o que pra mim era aquele "acumulo de alguma coisa" que me incomodava. Outro problema é que não é comprovado mas existem pesquisas sobre suas substancias serem nocivas, causar alergias, infecções e os sais de alumínio podem ser cancerígenos.

- Hidratação e esfoliação
Nós estamos acostumadas a fazer isso no resto do corpo, mas porque não nas axilas? A esfoliação ajuda a remover a pele morta e também a expor os folículos capilares, auxiliando na depilação tanto com gilete quanto com cera. Alem disso essa é uma área constantemente agredida pelas depilações e químicos nada mais justo do que hidratar com frequência!

- O uso da gilete
Pelo que dizem a gilete é mais agressiva para pele do que a depilação a cera, mas não criamos pânico não é nada demais. Para tornar sua prática mais saudável use giletes com bom corte, para não precisar passar várias vezes, e sempre limpe e seque elas para evitar bactérias. O chuveiro é um lugar adequado porque a umidade amacia os pelos, facilitando sua remoção, mas  a depilação deve ser feita no começo do banho, depois de alguns minutos a pele incha, comprometendo o deslizamento da lâmina. Como ela gera micro cortes na pele o melhor e dar um tempinho pra pele se recuperar antes de tacar hidratantes e desodorantes que podem irritar o local.

- A depilação com cera

A depilação com cera remove uma fina camada da pele o que pode deixa-la mais irritada, a cera muito quente também pode gerar queimaduras que escurecem a pele. Para que o dano seja minimizado é interessante ter esfoliado o local alguns dias antes e também o uso de alguma loção para amaciar os folículos.


O desodorante que eu estou usando e que me incentivou a essa pesquisa toda foi o Aromaco da Lush, ele segura bem o mau cheiro, no calorzão eu acabo retocando no meio do dia, mas eu amo o cheiro dele e ele próprio já deixa as axilas super hidratadinhas, eu passei a amar elas! Eu não cheguei a testar nenhum outro desodorante não antitranspirante para saber o quanto ia melhorar minha situação mas esse funcionou e eu sei que a Lush é uma marca que prioriza produtos naturais que não causem mal ao corpo.
Existem também receitas para fazer seu próprio desodorante em casa (esse é da minha amiguinha kuy :3) facinho, alem de outras opções naturebas como o bicarbonato de sódio e desodorantes de pedra hume.